Manifestações se espalham pelas seis cidade-sede da Copa; Fifa monitora movimentos

0
2

img
Confrontos nas ruas, polícia em greve, trens e ônibus parados e rodovias bloqueadas por barricadas em chamas. O cenário se disseminou pelas seis cidade-sede da Copa das Confederações ao longo da última semana.

Aproveitando a visibilidade que o torneio dá aos protestos e a maior sensibilidade dos governos às vésperas de um grande evento internacional, grevistas e movimentos sociais deflagraram uma série de manifestações. A Fifa monitora os movimentos.

Brasília enfrentou ontem um protesto que interrompeu os acessos ao estádio Mané Garrincha, palco da abertura e do jogo inaugural entre Brasil e Japão, hoje, às 16h.

O movimento “Copa pra Quem?” –que questiona o custo e o legado dos megaeventos esportivos que o Brasil irá sediar– convocou um novo protesto para hoje antes do confronto.

No Rio, uma manifestação anteontem contra o aumento da passagem de ônibus resultou em violento confronto entre manifestantes e a Polícia Militar em avenidas.

Em Fortaleza, motoristas e cobradores de ônibus paralisaram ontem por duas horas um dos terminais. A categoria, que pede aumento salarial, está fazendo paralisações durante toda a semana e já fala em possível greve.

Em Belo Horizonte, Polícia Civil e professores estaduais estão em greve. Apesar de uma decisão judicial proibir manifestações no entorno do Mineirão, as duas categorias prometem furar o bloqueio da Fifa e dar um “abraço simbólico” no estádio.

Em Recife, os metroviários recuaram da ameaça de greve, mas uma paralisação dos ônibus levou caos à cidade.

Em Salvador, servidores municipais de saúde, limpeza urbana, segurança, salva-vidas e de trânsito pararam.

Na Olimpíada de Londres–12, motoristas de ônibus e funcionários da imigração realizaram paralisações.

Na Copa da África do Sul–2010, houve protestos salariais e manifestações por moradia, emprego e serviços básicos à população pobre.

Fonte: Folha de São Paulo – 15/06/2013

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA