Governador afastado do DF, Ibaneis fala em sabotagem na ação de PMs durante atos de vandalismo

0
55
governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha
governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha

O governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), acredita ter havido sabotagem de policiais militares durante os atos de vandalismo do último domingo (8), em Brasília. Por meio dos advogados que o representam, Alberto Toron e Cléber Lopes, Ibaneis alega ter recebido informações incorretas sobre as ações de segurança na Esplanada dos Ministérios no dia em que extremistas vandalizaram as sedes dos Três Poderes.

“O desenvolvimento das investigações tem, a cada dia, revelado e trazido fatos novos, que indicam uma espécie de sabotagem na ação de policiais militares. Indicam também que ele teve informações erradas e falseadas e que, portanto, não se pode dizer, de maneira nenhuma, que estivesse conluiado com o movimento que se deu no último domingo (8)”, afirmaram os advogados.

Interventor federal exonera 13 servidores da segurança no DF

A decisão que afastou Ibaneis do Governo do DF por 90 dias foi confirmada pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (11). Ele foi suspenso da função pelo ministro Alexandre de Moraes na madrugada de segunda-feira (9), horas após vândalos terem invadido e depredado o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o prédio do próprio STF.

Toron e Lopes destacaram que o governador afastado aceitou a decisão de Moraes. Os advogados dizem esperar que as investigações esclareçam o ocorrido e que ele volte ao posto. “O governador Ibaneis recebe com a maior humildade e respeito a decisão do STF. Esperamos, como advogados, que os fatos sejam plenamente esclarecidos, de modo que possa voltar ao exercício do cargo para o qual foi eleito”, declararam.

Durante o período de afastamento, quem conduz o Palácio do Buriti é a vice-governadora, Celina Leão (PP). Ela reconheceu, na última terça-feira (10), que houve falha no comando da Polícia Militar do DF. Antes do afastamento de Ibaneis, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já havia nomeado Ricardo Cappelli como interventor federal na Segurança Pública do DF.

Também na terça-feira, Cappelli insinuou que pode ter havido sabotagem por parte do ex-secretário de Segurança Pública do DF Anderson Torres, que estava à frente da pasta durante os atos de vandalismo. Antes de assumir o cargo, ele foi ministro da Justiça e Segurança Pública do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA