Antes de ataques, Torres trocou equipe que monitorava manifestantes no DF

0
64
Torres trocou equipe que monitorava manifestantes no DF
Torres trocou equipe que monitorava manifestantes no DF

Um dos demitidos foi George Estefani de Souza do Couto, que possui treinamento técnico na área de negociação, gerenciamento de crises e compreensão ao fenômeno terrorismo

O ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Anderson Torres exonerou e nomeou novos nomes da equipe de inteligência e operações especiais da pasta cinco dias antes dos atos de teor golpista de domingo (8/1). A lista de exonerados foi publicada no Diário Oficial do DF no dia 3 de janeiro. Um dos demitidos foi George Estefani de Souza do Couto, que possui treinamento técnico na área de negociação, gerenciamento de crises e compreensão ao fenômeno terrorismo.

De acordo com levantamento exclusivo do SBT News, as pessoas exoneradas atuavam no monitoramento de manifestações golpistas e tinham experiência na área. Outro servidor afastado foi Milton Rodrigues, que atuava na coordenação de operações policiais do DF. Ele foi substituído por Marília Ferreira de Alencar, enquanto o delegado da PF Fernando de Souza Oliveira ocupou o cargo de George.

LEIA TAMBÉM

MDB-DF : Integrantes da sigla querem expulsão de Ibaneis

CLDF: oposição se organiza para abrir CPI e pedir impeachment de Ibaneis

Tanto Anderson Torres — que foi ministro da Justiça do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) — quanto o governador Ibaneis Rocha (MDB) foram incluídos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes no inquérito que investiga atos antidemocráticos. O ministro citou a conivência das duas autoridades após atos terroristas que ocorreram no domingo (8/1) na Praça dos Três Poderes, e que resultaram no vandalismo dos prédios do Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal e Palácio do Planalto. Anderson foi exonerado do cargo de secretário e Ibaneis foi afastado do cargo de governador do DF por 90 dias.

“O descaso e conivência do ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública e, até então, Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres — cuja responsabilidade está sendo apurada em petição em separado — com qualquer planejamento que garantisse a segurança e a ordem no Distrito Federal, tanto do patrimônio público — Congresso Nacional, Presidência da República e Supremo Tribunal Federal — só não foi mais acintoso do que a conduta dolosamente omissiva do Governador do DF, Ibaneis Rocha”, disse Alexandre de Moraes.

Correio tenta contato com a Secretaria de Segurança Pública do DF para mais esclarecimentos sobre as exonerações, mas até a publicação desta matéria não obteve resposta. Pelo Twitter, o ex-secretário Anderson Torres disse que lamenta o levantamento de hipóteses de conivência da parte dele como chefe da pasta. “Estou certo de que esse episódio será totalemente esclarecido, e seus responsáveis exemplarmente punidos”, escreveu.

SE VOCÊ É EMPRESARIO, COMERCIANTE OU PRESTADOR DE SERVIÇO CLIQUE AQUI

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA